Mostra Bibliográfica

Raciocínio Matemático

«O grande objetivo do ensino da Matemática é o desenvolver a capacidade de raciocínio dos alunos. Trata-se de um objetivo ambicioso, mas necessário, que justifica o importante papel da Matemática em todos os sistemas educativos. Os alunos não desenvolvem a capacidade de raciocínio matemático por simples memorização de conceitos, representações e procedimentos rotineiros, que, pelo contrário, os leva a ter uma visão da Matemática como um conjunto de regras mais ou menos desconexas, e não como uma disciplina lógica e coerente (ME, 2007). Para desenvolver esta capacidade é preciso trabalhar em tarefas que, por um lado, requerem raciocínio e, por outro lado, estimulam o raciocínio. Só deste modo se pode esperar uma compreensão efetiva dos conceitos e procedimentos matemáticos por parte do aluno. (…) O raciocínio matemático é reconhecido como fundamental por numerosos autores, que sublinham uma variedade de aspetos. Por exemplo, Oliveira (2008, p. 3) usa a expressão raciocínio matemático para referir “um conjunto de processos mentais complexos através dos quais se obtêm novas proposições (conhecimento novo) a partir de proposições conhecidas ou assumidas (conhecimento prévio)”. Numa perspectiva lógica, Aliseda (2003) identifica raciocínio matemático com inferência dedutiva, caracterizada pela certeza e pela monotonicidade, ou seja, pela existência de uma relação necessária entre premissas e conclusão e pela irrefutabilidade das conclusões. Numa perspectiva mais abrangente, Russel (1999, p. 1) refere que, na aprendizagem da Matemática, o raciocínio é “o que usamos para pensar sobre as propriedades de um determinado objeto matemático e desenvolver generalizações que se apliquem a toda a classe de objetos” e é “a ferramenta para compreender a abstração”. Deste modo, enquanto alguns autores salientam sobretudo os aspetos lógicos, outros valorizam mais os processos intuitivos, como se formulam novas ideias e se chegam a novas conclusões. (…) Em Portugal, o raciocínio matemático surge como capacidade transversal no Programa de Matemática oficial (ME, 2007). Oliveira (2002), ao estudar o raciocínio do ponto de vista epistemológico, identifica quatro grandes tipos: (i) indução; (ii) dedução; (iii) abdução; e (iv) transformação. A discussão de semelhanças e diferenças entre os raciocínios indutivo e dedutivo constitui um ponto de partida para a análise do que caracteriza o raciocínio matemático e os seus processos.»

 

Ponte, J. P., Mata-Pereira, J., Henriques, A. (2012). O raciocínio matemático nos alunos do ensino básico e do ensino superior = Mathematical reasoning in elementary school and higher Education. Práxis educativa,7(2). https://www.revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/4698/3212

Poderá ver esta mostra na biblioteca da Faculdade de Psicologia

Raciocínio Matemático

Aikenhead, G. (1991). Logical reasoning in science and technology: student activities. Toronto: John Wiley & Sons.
DID/CIE AKN*LOG

Ball, L. J., Thompson, V. A. (Eds.) (2018). The Routledge international handbook of thinking and reasoning. London: Routledge.
PSI/COGN BLL*ROU

Bonnefon, J.-F. (2017). Reasoning unbound: thinking about morality, delusion and democracy. London: Palgrave Macmillan.
PSI/COGN BNN*REA

Evans, J. S. B. T. (Ed.) (1996). Thinking & Reasoning. Hove: Psychology Press.
PSI/COGN EVN*THI

Evans, J. S. B. T. (1989). Bias in human reasoning: causes and consequences. Hove and London: Lawrence Erlbaum.
PSI/COGN EVN*BIA

Garfield, J. B., Ben-Zvi, D. (2010). Developing students’ statistical reasoning: connecting research and teaching practice. New York: Springer.
DID/MAT GRF*DEV

Garstens, H. L., Jackson, S. B. (1967). Mathematics for elementary school teachers. New York: The MacMillan Company.
PD-1368

Gravemeijer, K., Lehrer, R., van Oers, H.J., Verschaffel, L. (2010). Symbolizing, modeling and tool use in mathematics education. London: Kluwer.
DID/MAT GRV*SYM

Halpern, D. F. (Ed.) (1992). Enhancing thinking skills in the sciences and mathematics. Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum.
PSI/COGN HLP*ENH

Holyoak, K. J., Morrison, R. G. (Eds.) (2005). The Cambridge handbook of thinking and reasoning. Cambridge: Cambridge University press.
PSI/COGN HLY*CAM

Jaulin-Mannoni, F. (1965). La rééducation du raisonnement mathématique: Classes primaires et second degré. Paris: Les Éditions Sociales Françaises.
BPOV-1457

Labinowicz, E., Wilson, T. D., Jorgensen, M. (1985). Learning from children: new beginnings for teaching numerical thinking: a piagetian approach. California: Addison-Wesley.
PD-5370

Lannin, J., Ellis, A. B., Elliot, R. (2011). Developing essential understanding of mathematical reasoning for teaching mathematics in prekindergarten – grade 8. Reston: National Council of Teachers of Mathematics.
DID/MAT LNN*DEV

Lobato, J., Ellis, A., Zbiek, R. M. (2010). Developing essential understanding of ratios, proportions & proportional reasoning: for teaching mathematics in grades 6-8. Reston: National Council of Teachers of Mathematics.
DID/MAT LOB*DEV

Minium, E. W. /1978). Statistical reasoning in psychology and education. 2nd ed. New York: John Wiley.
EST/MAT MNM*STA Ex. 1

Mitchell, P., Riggs, K. J. (Eds.) (2000). Children’s reasoning and the mind. Hove: Psychology Press.
PSI/DES MTC*CHI

Neys, W. (Ed.) (2018). Dual process theory 2.0. London: Routledge.
PSI/COGN NYS*DUA

Nickerson, R. S. (2010). Mathematical reasoning: patterns, problems, conjectures, and proofs. New York: Psychology Press.
DID/MAT NCK*MAT

Overton, W. F. (Ed.) (1990). Reasoning, necessity and logic: developmental perspectives. New Jersey: Lawrence Erlbaum.
PSI/DES OVR*REA

Open University (1982). Developing mathematical thinking. Milton Keynes: The Open University Press.
PSI/ED OPN*DEV

Phillips, E. D., Zawojewski, J. S. (Eds.) (2011). Reasoning and sense-making problems and activities for grades 5-8. Reston: National Council of Teachers of Mathematics.
DID/MAT PHL*REA

Rodger, R. S (1961). Statistical reasoning in psychology: an introduction and guide. London: University Tutorial Press, Ltd.
BPOV-1170

Sánchez Torres, J. D. (2012). Jogos de matemática e de raciocínio lógico. Petrópolis: Vozes.
DID/MAT SNC*JOG

Smith, L. (2002). Reasoning by mathematical induction in children’s arithmetic. Oxford: Pergamon.
PSI/DES SMT*REA

Sternberg, R. J., Subotnik, R. F. (Eds.) (2006). Optimizing student sucess in school with the other three rs: reasoning, resilience, and responsability. Greenwich: IAP-Information Age Publishing.
PED STR*OPT

Schaeken, W., De Vooght, G., Vandierendonck, A. d’Ydewalle, G. (2000). Deductive reasoning and strategies. New Jersey: Lawrence Erlbaum.
PSI/COGN SCH*DED

Touyarot, M. A., Lebert, S. H. (1969). Comment faire?…: Les activités mathémathiques à l’école maternelle. – Paris: Fernand Nathan.
PD-2722

Verschaffel, L., De Corte, E., Jong, T., Elen, J. (Eds.) (2010). Use of representations in reasoning and problem solving: analysis and improvement. London: Routledge.
PSI/ED VRS*USE