Arte conVida2018-01-03T18:56:22+00:00

Arte comVida

Respirando arte, a ciência ganha vida.

O psicólogo que só sabe psicologia, nem psicologia sabe.

Ousemos na liberdade, durante breves linhas, de nos apropriarmos da famosa frase (1) do Professor  Abel Salazar (2) (3), para fazer dela o axioma arquitectónico, artístico e epistemológico subjacente a esta apresentação do espaço físico onde diariamente se partilha e desenvolve conhecimento sobre a natureza humana.

Tendo como ponto de partida um projecto pedagógico inovador, o conceito ganhou forma nas múltiplas linhas e planos traçados pela mão de Manuel Tainha (4). Alçados, cortes, esboços e telas criaram, do que podia ser uma tradicional massa bruta de betão, um espaço de rara beleza onde “às quatro fachadas do tradicional preceito compositivo, se acrescentou (…) uma quinta fachada: a cobertura. E como tal é tratada, pois não só pode ser vista em voo de pássaro (leia-se avião) como também proporciona uma riquíssima fonte de luz parietal, com a qual se associa para a ambientarão do interior.”(5)

Nas palavras do próprio autor, esta obra assentou nas “três razões mestras da arquitectura: a razão prática, a razão teórica, a razão poética”(6). . Seguramente foi esta última que o levou a convidar Menez para criar o painel de azulejos que integra um dos mais belos e emblemáticos espaços da faculdade: o claustro do pátio. Um espaço de — arriscamos a afirmar — inspiração islâmica onde as sombras dos rasgos das colunatas imprime o ritmo sob o qual dançam os anjos azuis e nos envolve com aquele tom de frescura e paz espiritual que só encontramos nos claustros árabes e monásticos medievais.

O painel de azulejos, em conjunto com o lago do jardim interior, é um dos principais ex-libris deste complexo arquitectónico. Situado na parede frontal do claustro nele se repetem mimeticamente bandos de anjos — feitos de pinceladas tão leves e irregulares que mais parecem tempera sobre papel — que nos elevam a uma outra dimensão e desafiam qualquer visão meramente fisicista da natureza humana.

Estudar e trabalhar na Faculdade de Psicologia é (usu)fruir de um espaço que não se limita à perfeita funcionalidade, mas onde se abrem uma infinidade de portas (se deixarmos o nosso olhar perder-se nos múltiplos recantos e pormenores) que nos encaminham para outras dimensões racionais e emocionais só possíveis pelo despertar da dimensão estética do nosso ser.

Desta forma a abertura a outros saberes, que caracteriza a visão pedagogia da Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, passa também pelo conViver diário, lado a lado, com a arte.

A FPUL é um espaço que conVida ao saber.

clic na imagem para ver (e fechar) a ficha técnica.

Prémios

A qualidade do trabalho desenvolvido está bem evidenciado através dos prémios recebidos no ano da sua inauguração, 1991.

O projecto arquitectónico, da autoria do Arqto. Manuel Tainha, foi galardoado com o Prémio Valmor,
tendo o painel de azulejos, da pintora Menez, recebido a Menção Honrosa no Prémio Municipal de Azulejaria Jorge Colaço.

Exterior
Interiores
Pátio Superior, Claustro & Painel De Azulejos
Lago & Espaços Verdes
Pátios Inferior & Lateral